SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL ENTENDE QUE O DIREITO À ESTABILIDADE DA EMPREGADA GRÁVIDA INDEPENDE DO CONHECIMENTO DA EMPRESA