PortugueseEnglish
PortugueseEnglish

RECEITA FEDERAL ALTERA ENTENDIMENTO SOBRE TRIBUTAÇÃO NO SETOR IMOBILIÁRIO (HOLDINGS IMOBILIÁRIAS)

Compartilhe esse Artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Recentemente, ao avaliar um caso suscitado por contribuinte do ramo imobiliário, a Receita Federal alterou o seu entendimento sobre a tributação no setor imobiliário por meio da Solução de Consulta n° 7 da Coordenação-Geral de Tributação (COSIT).

Durante o julgamento, a Receita Federal entendeu que a receita bruta auferida pelas empresas por meio da operação de compra e venda de imóveis (ainda que estes tenham sido inicialmente objeto de alugueres) sujeita-se aos percentuais de presunção de 8% para o IRPJ e de 12% para a CSLL.

Denota-se que tal entendimento se aplica às pessoas jurídicas optantes pelo lucro presumido.

Diante disso, o novo entendimento considera que as receitas auferidas com essa operação – isto é, a venda do imóvel inicialmente contabilizado no ativo não circulante para aluguel – compõem resultado operacional e, consequentemente, receita bruta da pessoa jurídica.

Antes da publicação da Solução de Consulta n° 7 da COSIT, a referida operação era tributada como ganho de capital por tratar-se de resultado não operacional e, com isso, a RFB exigia dos contribuintes 15% sobre o lucro apurado + 10% referente ao adicional do IRPJ, bem como 9% do CSLL, incidente sobre a diferença entre o custo de aquisição e de comercialização do imóvel.

Ou seja, determinada empresa que classifica, por exemplo, determinado imóvel no Ativo Imobilizado para fins de aluguel (fonte de investimento), mas que decide vendê-lo pelo valor de R$1.500.000,00 (um milhão e quinhentos reais), gerando R$500.000,00 de ganho de capital. Pela regra anterior, incidiria na operação R$170.000,00 referente à 15% sobre o lucro apurado, 10% de adicional de IRPJ e 9% de CSLL.

Com o entendimento atual da RFB, o mesmo imóvel suportará a tributação de R$44.400,00 correspondente aos 8% sobre o lucro presumido do IRPJ e 12% para a CSLL.

Diante disso, as empresas do setor imobiliário poderão pagar menos Imposto de Renda (IRPJ) e CSLL na venda de imóveis anteriormente alugados, contando que estejam no regime do lucro presumido.

Até a publicação da Solução de Consulta, o tema era tratado de forma recorrente pelo CARF – Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, havendo decisões heterogêneas sobre o assunto levado pelos contribuintes – isto é, existem julgados que entenderam que a venda dos imóveis estava sujeita à apuração de ganho de capital, ao mesmo tempo em que outras decisões seguiram o mesmo entendimento da Solução de Consulta n° 7 da COSIT.

Todavia, a Receita Federal realizou uma importante ressalva durante a análise da demanda: se o imóvel pertencer ao ativo imobilizado da empresa (para o seu uso e funcionamento), os percentuais de presunção não serão aplicáveis ao caso concreto, mesmo que o objeto ou a atividade principal da pessoa jurídica seja a alienação de imóveis. É o cenário, por exemplo, de imóvel que era utilizado como sede da pessoa jurídica.

Por essa razão, é necessário distinguir a finalidade dos imóveis antes de serem vendidos, como nas hipóteses exemplificadas abaixo:

  • caso os imóveis tenham sido adquiridos para serem alugados (classificados como propriedade para investimentos), não irão gerar ganho de capital apenas se a entidade tiver no objeto social a venda de imóveis como atividade;
  • se os imóveis foram adquiridos para uso (e, por isso, classificados no Ativo Imobilizado) a venda constitui ganho de capital mesmo se houver cláusula do objeto social sobre a alienação de imóveis.

Acesse a Solução de Consulta nº 7 na íntegra: Solução de Consulta n° 7.

Gaiofato e Galvão

Gaiofato e Galvão