PortugueseEnglish
PortugueseEnglish

STJ define que a base de cálculo do ITBI é o valor de mercado do imóvel

Compartilhe esse Artigo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O STJ colocou ontem (24/02) um ponto-final na discussão travada sobre a base de cálculo do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis – ITBI no Município de São Paulo.

 

ENTENDA A DISCUSSÃO

Em virtude de inúmeras recorrências ao TJSP sobre a base de cálculo do ITBI, o 7° Grupo de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo fixou, em meados de 2019, o entendimento de que o imposto deveria ser calculado sobre o valor da venda do bem imóvel ou sobre o valor venal do imóvel para fins de pagamento de IPTU, aquele que fosse maior.

Considerando que o Tribunal de São Paulo fulminou o critério de cobrança criado e utilizado pela Prefeitura de São Paulo, chamado “valor venal de referência”, o Fisco, inconformado com a decisão, levou o embate ao Superior Tribunal de Justiça.

 

DECISÃO

Ao analisar o caso, o relator alegou que a base de cálculo do ITBI não está relacionada à do IPTU, ainda que ambas sejam o valor venal. De acordo com o Ministro, é necessário ser considerado como valor venal para fins de ITBI o valor normal de mercado nas transações imobiliárias.

Dessa forma, o STJ entendeu que a utilização do valor de referência de venda, estabelecida previamente pelo município, para evitar a declaração de valores depreciados pelo contribuinte, não é legítimo.

Com a nova tese, agora definitivamente fixada pelo STJ, foram aprovados os seguintes entendimentos sobre o assunto:

  • A base de cálculo do ITBI é o valor do imóvel transmitido em condições normais de mercado, não estando vinculado à base de cálculo do IPTU.

 

  • O valor da transação declarada pelo contribuinte deve ser condizente com o valor de mercado e só pode ser afastada pelo Fisco por meio de processo administrativo próprio.

 

  • O Município de São Paulo não pode arbitrar previamente a base de cálculo do ITBI.

Para todos os efeitos, considera-se inconstitucional a cobrança do imposto de transmissão de bens imóveis com base no chamado “valor venal de referência”. Com isso, a base de cálculo do imposto deve ser calculada de acordo com o valor de mercado informado pelo contribuinte.

Gaiofato e Galvão

Gaiofato e Galvão